Aprenda qual o tipo mais indicado para o seu negócio!

A gravação de matrizes para impressão é algo tão comum no dia a dia dos profissionais da serigrafia que muita gente simplesmente negligência importantes pontos de atenção para se obter um trabalho de qualidade.

Seja por achar que falta informações técnicas disponíveis pelos fabricantes acerca dos procedimentos indicados, seja por seguir dicas de pessoas que fazem o que foi aprendido previamente por conta própria, via tentativa e erro, muitos profissionais penam para alcançar a qualidade desejada nos seus trabalhos.

O que muitos não enxergam é que, assim como todos os processos do segmento, a gravação de matrizes possui boas práticas e, para otimizar o trabalho economizando tempo e dinheiro, é necessário que o profissional busque por informação de qualidade. É aí que entra também os fornecedores e fabricantes de emulsões e sensibilizadores.

Pensando nisso, nesse artigo técnico desenvolvido pela equipe técnica da Saturno Tintas – uma indústria nacional que produz soluções há quase 80 anos para o mercado serigráfico brasileiro – você aprenderá mais sobre os seguintes assuntos:

  • Quais são os tipos de emulsões disponíveis;
  • O que são os Sensibilizadores de luz para emulsão e qual utilizar;
  • Cuidados durante o processo de preparação da matriz fotográfica;
  • A emulsão exposta a luz: como identificar o tempo ideal para uma cura completa e perfeita da tela serigráfica?
  • É possível remover gravações existentes em uma matriz?

Aproveite as dicas a seguir e alavanque os seus resultados!

Quais são as emulsões e sensibilizadores mais usadas no mercado serigráfico?

         Talvez todos que estão lendo esse artigo sabem, ou já ouviram falar, sobre emulsão fotográfica. De qualquer forma, vale pontuar o que é a emulsão: de forma simples para leigo entender, é o produto que delimita a passagem da tinta em uma matriz serigráfica. Quando olhamos para uma tela gravada, podemos ver a emulsão aplicada, seja ela da cor rosa, azul ou mesmo verde. Ela forma o “negativo” para proteger as áreas onde a tinta não pode passar na impressão.

A aplicação correta da emulsão ajuda muito no sucesso da impressão serigráfica. Quem nunca perdeu a gravação de uma matriz por aparecer falhas ocasionadas por umidade na tela, pontos de sujeira, entre outras situações usuais, principalmente no início da carreira de serígrafo?

Fazer a escolha do produto certo faz muita diferença, mas é apenas parte do processo como um todo.

Hoje existem dois tipos de emulsões no mercado: a emulsão resistente a água e a emulsão resistente a solventes. A escolha de qual produto será utilizado na sua impressão deverá ser norteada na necessidade do seu cliente e no produto que será utilizado no processo de impressão.

A escolha é simples e refere-se somente à compatibilidade de tintas: se você for utilizar tintas à base de solventes ou de cura U.V., deverá gravar a matriz utilizando uma emulsão resistente a solventes. Se for usar tinta à base d’água na impressão, deverá utilizar uma emulsão resistente a água para se gravar a matriz. Não queremos que a tinta ou o processo de limpeza da tela afete a emulsão utilizada na gravação da matriz, correto? Por isso, usar o tipo certo de emulsão é fundamental.

Na tabela abaixo, fica claro a explicação prévia:

Em relação às opções do mercado, podemos citar as nossas soluções:

São diversas as opções de produtos disponíveis no mercado e caberá ao impressor serigráfico definir qual será o produto que atenderá a sua demanda no projeto em andamento.

O que são os Sensibilizadores de luz para emulsão e qual utilizar?

         Se em um primeiro momento tudo parecia simples, aqui começa a expansão do leque de possibilidades.

O sensibilizador é um produto essencial para o processo e é vendido para uso em conjunto com a emulsão. Ele serve exatamente para torná-la sensível a luz no processo de revelação da tela. É possível encontrar no mercado opções de sensibilizadores com preços mais acessíveis e sensibilizadores com preços mais altos, porém cada um tem a sua característica e a escolha deve ser feita pelo profissional que executará o serviço.

A opção mais usual e utilizada no mercado ainda é o Sensibilizador Bicromato. Ele é a opção mais antiga ainda disponível  no segmento e é muito funcional para utilização no processo de gravação de telas, inclusive pelo seu preço acessível. Sua utilização é feita através da adição de 10% de Sensibilizador Bicromato para cada porção de emulsão. Para ficar claro, daremos o exemplo a seguir: para uma quantidade de 200ml de emulsão fotográfica, deve-se adicionar 20ml de Sensibilizador Bicromato – para 400ml de emulsão, deve-se adicionar 40ml de Sensibilizador Bicromato, e assim por diante.

A Saturno Tintas possui em linha tal sensibilizador, que é o Sensibilizador Bicromato 5015.SENS®, que funciona exatamente como explicado anteriormente, seguindo o padrão dos similares do mercado.

A emulsão e o sensibilizador devem ser homogeneizadas juntas, utilizando-se de uma espátula de plástico ou de madeira, repousar por cerca de 1h – evitando a formação de bolhas de ar – e utilizada em um período máximo de 6h após a preparação. Após aplicada na matriz, pode ficar armazenada em local fresco e escuro por até três dias. Um ponto importante a ser informado é que sua preparação deve ser feita apenas na quantidade necessária para a utilização do momento. É o produto que torna mais fácil e acessível a revelação da matriz, por utilizar a luz ultravioleta disponível em outros tipos de lâmpadas, inclusive as que não são somente UV.

Além do Sensibilizador Bicromato, existe também o Diazo, utilizado em menor proporção pelo mercado e que possui um preço mais elevado, além de fazer com que se torne necessário a revelação exclusiva através de lâmpadas UV para que o resultado alcance a qualidade ideal desejada.

Outra opção, ainda menos utilizada no segmento, são as Emulsões Fotopolímeras que já vêm sensibilizadas de fábrica. Com um preço ainda mais elevado do que o Diazo, é algo que vem surgindo como opção para o serígrafo.

Indiferente de qual tipo você escolher, utilize sempre os EPI’s necessários durante o manuseio da emulsão e do sensibilizador, que são as luvas, óculos e máscara de proteção. Proteção e saúde devem sempre estar em primeiro lugar!

Cuidados durante o processo de preparação da matriz fotográfica

É importantíssimo iniciar corretamente a preparação da tela de serigrafia.

A limpeza prévia é algo que não pode falhar e deve ser feita com total atenção. Após esticar o poliéster ou nylon na moldura, deve-se desengraxar totalmente a malha, utilizando água e sabão neutro.

A secagem pós-desengraxe também deve ser observada em detalhes, pois caso ainda haja umidade na tela durante a aplicação da emulsão, pode ocasionar pontos de falha. A utilização de secador de cabelos acelera o processo, mas deve-se atentar a temperatura e a proximidade do mesmo para não danificar o tecido (evite também usar soprador térmico, ainda mais direcionado, devido a sua temperatura ainda mais elevada).

Antes de aplicar a emulsão, atente-se bem a limpeza, inclusive do ambiente, pois qualquer impureza que fixar na malha vai criar falhas.

Para aplicação da emulsão, utilize sempre a quantidade necessária do produto para não criar uma camada grosseira e desnecessária. Observe também que uma camada muito fina pode facilitar a aparição de falhas. Normalmente, são suficiente algo entre três a cinco demãos de emulsão do lado externo e duas, ou três demãos, para aplicação do lado interno.

Sobre o fotolito, um comentário a parte: uma boa impressão interfere positivamente na qualidade da revelação. Não se deixe pecar nesse quesito.

A emulsão exposta a luz: como identificar o tempo ideal para uma cura completa e perfeita da tela serigráfica?

Esse assunto ainda não foi citado nesse artigo, mas a utilização de luzes de qualidade é fundamental para a otimização do seu processo de gravação.

Muita gente ainda utiliza luzes fluorescentes para revelar as suas telas, porém isso faz com que o processo demore muito mais do que o necessário, fazendo com que você deixe de produzir mais e, consequentemente, deixe de lucrar mais.

A luz U.V. é considerada um ótimo investimento para quem trabalha com serigrafia, pois economiza seu tempo. Uma revelação que leva até 15min utilizando-se de luzes inadequadas, é realizada em menos de 5min com a utilização de luzes U.V..

O motivo dessa questão são as frequências de onda de luz emitidas pelas lâmpadas convencionais, que emitem a onda ultravioleta, mas em quantidade muito inferior à uma lâmpada adequada. Por emitir menos luz U.V., leva-se mais tempo para a cura da emulsão.

Por fim, um detalhe importante a se atentar é o estado da lâmpada, que não pode estar com a vida útil se esgotando. Quanto mais antiga a lâmpada, menos intensamente ela emite as frequências de luz prometidas pelo fornecedor, demorando ainda mais para efetuar a cura da emulsão e finalizar a revelação da tela.

É possível remover a gravação existente em uma matriz?

Sim, e aqui vai a última dica. Se você quiser, pode reaproveitar a tela esticada, apenas utilizando produtos específicos para isso, como o Removedor de Emulsão Saturno® 3010.REF. A forma de utilização é bem simples, bastando a limpeza da tela utilizando-se de um pano limpo, embebido com o removedor.

Uma observação pertinente: caso a emulsão aplicada tenha sido catalisada com algum catalisador do mercado com o intuito de prolongar ainda mais a durabilidade da emulsão durante as impressões, será necessário o descarte da malha por não ser possível remover a gravação.

Conclusão

            Como você leitor pôde observar, existem diversas boas maneiras para o uso correto de emulsões e sensibilizadores no seu dia a dia. Utilize as dicas passadas aqui pela equipe da Saturno Tintas e evolua sempre nos seus procedimentos de trabalho.